29 de novembro

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
26/05/22 às 10h57 - Atualizado em 26/05/22 às 10h57

PDAD chega ao coração de Brasília

COMPARTILHAR

A Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) realizou nesta quarta-feira (25) mais um ciclo de um total de sete apresentações da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílio (PDAD) nas cidades. Dessa vez, foram os moradores do Plano Piloto, Sudoeste/Octogonal, Cruzeiro e Candangolândia que tiveram seu perfil e caraterísticas revelados pelo estudo, como média de idade da população, etnia, se possui ou não alguma deficiência, estado civil.

 

A apresentação foi transmitida pela internet a partir do auditório da Administração Regional do Plano Piloto. Anfitriã do evento, a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, ressaltou a importância da PDAD para a aplicação de políticas públicas. “É uma felicidade muito grande a gente receber aqui essa rodada de apresentação dos dados da pesquisa. Essa pesquisa é completa. Revela outros aspectos jamais abordados por outros estados, como identidade de gênero, orientação sexual e outros recortes que são fundamentais para termos um retrato fiel da nossa sociedade e conseguirmos atender a todos”, destacou Ilka.

 

O presidente da Codeplan, Jean Lima, que pegou a palavra de Ilka, também frisou que a PDAD é uma importante ferramenta utilizada como parâmetro para se embasar a aplicação de recursos e políticas públicas. Entusiasta do levantamento, Jean deu alguns spoilers da apresentação que seria feita em seguida a sua fala. “Teremos dados sobre perfil dos domicílios, da população quanto a infraestrutura, segurança pública. A vantagem de a gente estar aqui divulgando estes dados é que a população pode ter acesso a ele”, disse Jean.

 

A pesquisou visitou mais de sete mil domicílios do Plano Piloto, Sudoeste/Octogonal, Cruzeiro e Candangolândia no período entre junho a dezembro de 2021. Entre os dados mais importantes, registra-se o uso da bicicleta.

 

Bicicleta apenas como diversão 

Apesar da pouca distância do centro da capital federal, os moradores do Sudoeste, Octogonal, Cruzeiro e Candangolândia vão na contramão mundial e utilizam cada vez menos a bicicleta como meio de transporte. Essa população prefere ir e voltar de carro do trabalhado ou da escola.

 

A informação faz parte dos vários recortes que a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílio (PDAD) trouxe nessa quarta-feira (25/5) sobre a população concentrada na Unidade de Planejamento Territorial (UPT Central), que tem ainda o Plano Piloto como integrante.

 

Curiosamente, esta localidade é a que mais utiliza o meio de transporte entre as demais, mas não chega nem a 1% dos entrevistados, diz o estudo. É o que diz o estudo da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan).

 

O número decepcionou o síndico de um condomínio no Sudoeste que acompanhou a apresentação. Luiz Valério, 60 anos, elogiou a apresentação, mas se ateve mais ao índice “Deslocamento de bicicleta para o trabalho”. “Brasília se desenvolve no desenho de vias rodoviárias. Sem carro não há Brasília. É uma pena que a bicicleta ainda seja usada apenas para diversão”, lamenta o morador.

 

Além desse retrato das quatro localidades, a PDAD também revelou a cidade com a população mais envelhecida e de maios renda domiciliar. O estudo também trouxe a região maior quantidade de pessoas negras e que denominaram LGBTQIA+. Aliás, este é o dado inédito entre todas as pesquisas já realizadas no Distrito Federal.

 

Segundo a pesquisa, o Plano Piloto continua sendo o principal polo de trabalho do DF. Mais de 90% dos moradores afirmam trabalhar na localidade.

 

Em contrapartida, o Sudoeste/Octogonal tem a maior renda bruta média e ultrapassa os R$ 9 mil mensais entre a população economicamente ativa. O levantamento traz ainda os dados referentes à comparação entre a renda entre homens e mulheres e qual dos gêneros gasta mais tempo com afazeres domésticos. Segundo esse recorte, as mulheres recebem menos que os homens em todas as cinco cidades da UPT Central.

 

O gênero feminino só supera o masculino quando o dado refere-se às horas dedicadas a afazeres domésticos. Em média, no Plano Piloto, Sudoeste/Octogonal, Cruzeiro e Candangolândia, elas gastam entre 10h e até 15h por semana com esse tipo de serviço.

 

Matéria: Ary Filgueira, Assessoria de Comunicação Social da Codeplan

Fonte: Codeplan

Mapa do site Dúvidas frequentes